sábado, 12 de novembro de 2011

Devocional criativo, para a classe de Líder



Um dos motivos pelos quais eu gosto de trabalhar com as Classes, é porque com um só requisito trabalhamos várias áreas do conhecimento e várias habilidades. Um exemplo é: "Demonstrar o crescimento de sua liderança e habilidade no ensino, completando três dos seguintes requisitos: a. Desenvolver e conduzir três devocionais criativos".

Este requisito não pede apenas para o aspirante a líder fazer um devocional, desenvolvendo a sua espiritualidade e crescimento em Cristo. Isso está no pacote! Além disso, o devocional precisa ser criativo! Amigos, um pequeno comentário, cantar alguns hinos, ler uma meditação diferente e orar não é um devocional criativo, ok?!

Encenações são sempre uma boa opção para devocionais criativos, como a história de Jó nos tempos modernos. Semana passada eu estava fazendo a avaliação das classes em um Clube e quando eu fui pegar o meu velho manual de especialidades, vi que dentro dele tinha um rascunho. Fiquei muito feliz, foi um dos três devocionais que usei na minha pasta de líder. Ele foi elaborado juntamente com o nosso grande amigo Paulo Oliveira, enquanto ainda estávamos no ensino médio, rs.

A ideia foi apresentar um jornal, como se estivéssemos vivendo nos dias da morte e ressurreição de Cristo. Acompanhem:

(música de abertura de jornal)

(diminuir um pouco a música)

Âncora 1 – Olá, bom dia, eu sou […]
Âncora 2 – E eu sou […]
Âncora 1 – Estamos iniciando mais uma edição do Jornal Maranata.
Âncora 2 – Pois o Senhor logo vem.
Âncora 1 – Movimentação no Gólgota pede a crucifixão de um homem.
Âncora 2 – Duas pessoas morrem pisoteadas.
Âncora 1 – Hoje é domingo, dia xx de xx e estas são as notícias locais.

(terminar a música em som alto)

Âncora 1 – A semana começou turbulenta. Tudo começou sexta-feira. Apesar da preparação para o sábado estar no auge, uma multidão agitada fazia protestos nas ruas.
Âncora 2 – Agora vamos às imagens gravadas com o repórter […]
Repórter 1 – A agitação está terrível. Duas pessoas morreram pisoteadas, a multidão enfurecida grita pedindo a crucifixão de Jesus e que se solte Barrabás. Agora vamos entrevistar […], uma das moradoras que tem algumas considerações a fazer. Bom dia […].
Moradora – Bom dia. Esse Jesus deve ser crucificado imediatamente. Acredita que Ele diz ser o Filho de Deus?! Isso é uma blasfêmia.
Repórter 1 – Obrigado […]. A gritaria não pára, a população quer que Jesus seja crucificado antes do sábado. Aqui é o repórter […] para o Jornal Maranata (pausa), pois o Senhor logo vem.
Âncora 2 – Estes foram os protestos de sexta-feira e aproximadamente às 3 horas da tarde daquele mesmo dia, Ele foi crucificado. O interessante é que nessa mesma hora, o véu do santuário se rasgou ao meio e houve o terremoto mais forte dos últimos 2000 anos.
Âncora 1 – Alguns dizem ser a manifestação da natureza em decorrência da grande perda. Já outros dizem ser Deus enfurecido pela blasfêmia que esse homem dizia.
Âncora 2 – O sábado já foi bastante tranqüilo, não se ouvia muito falar nesse assunto. Mas hoje o dia começou agitado. Agora vamos ver o que está acontecendo no cemitério municipal com o repórter […]. Bom dia […].
Repórter 2 – Bom dia [âncora 1].
Âncora 1 – Como está o clima aí neste momento?
Repórter 2 – Olha [âncora 1], não está nada bom. Tem uma multidão enfurecida aqui, dizendo que roubaram o corpo de Jesus. Outros estão dizendo que ele ressuscitou. Vamos entrevistar Maria Madalena, que está aqui ao meu lado e chegou bem cedinho. Bom dia Maria.
Maria – Bom dia. Cheguei logo cedo para embalsamar o corpo de Jesus e quando cheguei, o túmulo estava aberto e seu corpo havia sumido. Então apareceu um homem de branco e me perguntou porque eu procurava dentre os mortos quem estava vivo! Então cheguei à conclusão que Ele havia ressuscitado.
Repórter 2 – Obrigado Maria. Vamos falar agora com um dos soldados que ficaram guardando o túmulo. Bom dia.
Soldado – (angustiado) Eu estava aqui quando veio uma multidão com tochas iluminando tudo, gritando e levaram o corpo de Jesus, para saírem por aí dizendo que ele ressuscitou.
Repórter 2 – Obrigado. O impasse está muito grande e parece que vai demorar acabar. Aqui é […] para o Jornal Maranata (pausa), pois o Senhor logo vem.
Âncora 1 – Obrigado [repórter 2]. Realmente este é um impasse muito grande e está em suas mãos a decisão de acreditar se Jesus vive e está no céu agora ou se jaz no esquecimento. Mas independente da sua escolha, saiba que Ele está a te esperar em qualquer momento que você quiser se abrir para ele.
Âncora 2 – Esta foi a sua primeira edição do Jornal Maranata.
Âncora 1 – Pois o Senhor logo vem.
Âncora 2 – Não percam a nossa próxima edição e tenham todos um bom dia.

(música de encerramento).

FONTE: CANTINHO DA UNIDADE

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Preservando a memória


“Pouco se sabe no Brasil, nos meios adventistas, sobre a disseminação da mensagem entre nosso povo. Pouco ou quase nada um membro da igreja pode relatar sobre a época em que a tríplice mensagem [referência a Apocalipse 14:6-10] raiou no Brasil, através do porto de Itajaí, em Santa Catarina. A triste realidade é que a igreja não teve meios para conservar sua memória histórica...” (Ivan Schmidt, José Amador dos Reis – Pastor e Pioneiro, p. 9). Enquanto pensava no tipo de projeto final que eu deveria fazer para alcançar o grau de bacharel em Jornalismo, concluindo assim os quatro anos de faculdade na Universidade Federal de Santa Catarina, deparei-me com o texto citado acima. “E por que não?” – disse para mim mesmo – “Por que não fazer uma reportagem sobre o início da obra da Igreja Adventista do Sétimo Dia no Brasil?”

Naquele momento, escolhi meu projeto. Os seis meses seguintes foram dedicados à pesquisa sobre pessoas e fatos que fizeram história no meio adventista mas que, infelizmente, em boa parte foram esquecidos.

Nos primeiros dois capítulos deste livro, fiz uma breve introdução de como teve início a história da Igreja Adventista no mundo. Em seguida, procurei contextualizar a chegada da mensagem no processo da colonização alemã no Vale do Itajaí-Mirim – berço do adventismo no Brasil. Para isso, tive de gastar bom tempo em pesquisas sobre o assunto, principalmente no Museu Histórico do Vale do Itajaí-Mirim, em Brusque.

Como os fatos relatados (referentes à chegada do adventismo ao Brasil) ocorreram há mais de um século e, como já disse, poucos são os registros sobre eles, tive de contar principalmente com informações obtidas nas entrevistas com os parentes dos pioneiros – a maioria netos e bisnetos – e com os raros livros e artigos publicados em revistas denominacionais.

Passei horas agradáveis entrevistando pessoas e rememorando situações inspiradoras. Tive o prazer de caminhar por lugares históricos. Conheci a casa onde ficava o armazém de Davi Hort, local onde foi aberto o primeiro pacote de literatura adventista; o rio onde foram batizados os primeiros conversos; a primeira igreja adventista do sétimo dia no Brasil, no bucólico vale de Gaspar Alto; o púlpito de onde foram pregados os primeiros sermões no pequeno templo; a casa-dormitório dos estudantes da primeira Escola Missionária Adventista do Brasil e os cemitérios da Esperança (em Gaspar Alto, SC) e dos Pioneiros (na Fazenda Passos, RS), onde estão sepultados os pioneiros do movimento adventista.


Coletadas as informações, a questão agora era: Como escrever sobre tudo isso? Que estilo usar? Um texto bíblico do profeta Habacuque me deu a idéia. Ele, que viveu cerca de 600 anos antes de Cristo, conhecia as técnicas modernas de escrever melhor do que muitas pessoas, hoje: “Vou subir a minha torre de vigia e vou esperar com atenção o que Deus vai dizer e como vai responder à minha queixa. E o Deus Eterno disse: ‘Escreva em tábuas a visão que você vai ter, escreva com clareza o que vou lhe mostrar, para que possa ser lido com facilidade’” (Hb 2:1, 2).

O profeta se colocou num ponto estratégico: na torre de vigia. Um local onde, ao mesmo tempo em que se mantinha próximo a Deus, podia observar o que acontecia ao seu redor, o que falava o povo, quais as tendências sociais da época, para onde ia o rei...

“Para que possa ser lido com facilidade.” “Prender” o leitor o tempo suficiente para ler nossa mensagem é realmente um desafio. Era no tempo de Habacuque e é muito mais em nosso mundo agitado. Por isso, o escritor deve mobilizar recursos que envolvam o leitor e o façam prosseguir na leitura.

Como o simples relato cronológico dos eventos seria monótono, utilizei recursos próprios da literatura, como reconstituição de cenas e diálogos. Afinal, “em termos modernos, a literatura e o jornalismo são vasos comunicantes, são formas diferentes de um mesmo processo”, diz o crítico Boris Schnaiderman, citado no livro Páginas Ampliadas – O Livro Reportagem como Extensão do Jornalismo e da Literatura, p. 139.

No mesmo livro, à página 142, o autor Edvaldo Pereira Lima, jornalista, escritor e pesquisador, diz que “os norte-americanos aplicam o termo jornalismo literário para designar a narrativa jornalística que emprega recursos literários. Os espanhóis a denominam de periodismo informativo de creación. Esse emprego é necessário porque, para alcançar poder de mobilização do leitor e de retenção da leitura por sua parte, a narrativa de profundidade deve possuir qualidade literária”.

Apesar de o público alvo deste trabalho serem os membros da Igreja Adventista do Sétimo Dia, pensei também nos possíveis leitores que não pertencem à igreja. Assim, encontraremos, por exemplo, um casal de alemães em Brusque “lendo” sobre a segunda vinda de Cristo e Roberto Fuckner “demonstrando” à esposa o porquê de ter-se decidido pela observância do quarto mandamento – o sábado – como dia sagrado.

Embora tenha procurado ser imparcial ao narrar os eventos – como deve procurar fazer todo jornalista –, admito que exalto com apaixonado entusiasmo a obra e os feitos realizados pelos pioneiros do movimento adventista. O leitor saberá compreender que o livro foi escrito por alguém que pertence ao movimento e defende sua filosofia e, por isso mesmo, não pretende divorciar-se de seus valores para atingir uma impossível perspectiva neutra.

Finalmente, os agradecimentos. Seria impossível mencionar todas as pessoas que, de forma direta ou indireta, contribuíram para que este trabalho fosse desenvolvido. Mesmo assim, não poderia deixar de agradecer às senhoras Paulina Gohr e Neli Bruns, a Augusto Alfredo Fuckner, Hilza Fuckner, Clara B. Hort, Henrique Carlos Kaercher e Herta Hort Kaercher, Marta Hort Rocha e Diomar Donato da Rocha, Eliseu Calson e Iria Calson (bondoso casal que me hospedou enquanto coletava dados em Gaspar Alto), Arnoldo Schirmer e Edith Belz Schirmer, Helmut Schirmer, Evaldo Belz (neto de Guilherme Belz), Edegardo Max Wuttke (o incansável pesquisador) e pastor Cláudio Belz (bisnetos de Guilherme Belz, que me franquearam seus arquivos de família e partilharam singelas recordações), Otto Kuchenbecker (responsável pelo Museu Histórico do Vale do Itajaí-Mirim, que me concedeu acesso aos arquivos do museu), Olinda Hort Schmitt, pastor Ivo Pieper (distrital de Jaraguá do Sul, na época), pastor José M. de Miranda (então distrital de Brusque) e sua esposa Rosemarie (por todo auxílio prestado na obtenção de informações na região de Brusque), Erich Olm (advogado da Divisão Sul-Americana) e ao seu pai Germano Willy Olm (neto de Augusto Olm, o primeiro ancião da IASD, no Brasil), aos pastores Wilson Sarli (ex-diretor da Casa Publicadora Brasileira) e José Silvestre (diretor de Jovens da Associação Paulistana), ao Arquivo Histórico de Itajaí. Agradeço, também, à professora e jornalista Neila Bianchin pelo acompanhamento e orientação na elaboração deste trabalho e ao professor e jornalista Dr. Nilson Lage pela copidescagem do texto original. Mas, sobretudo, agradeço ao Criador por me conceder o privilégio de lidar com assunto tão inspirador. Cresci muito com este projeto e passei a sentir ainda mais “orgulho” da fé que professo – o que espero transmitir a você, leitor.

Esta reportagem resumida e adaptada ao blog (lançada integralmente em forma de livro pela Casa Publicadora Brasileira, em 2000, com o título A Chegada do Adventismo ao Brasil) não é um apanhado de biografias. É antes a “biografia” de uma mensagem que transpõe barreiras étnicas e geográficas; atravessa o tempo e alcança pessoas de diversas idades e culturas (alcançou-me em 1989). Uma mensagem de esperança que tem o poder de transformar vidas, mudar corações. Uma mensagem que, segundo Manoel Margarido, ex-diretor de colportagem da União Sul-Brasileira da IASD, “está voando celeremente nas asas aurifulgentes da página impressa, deixando um rastro luminoso de [pessoas] esclarecidas. O seu vôo ... será ininterrupto, até que a mensagem resplandeça com grande poder em todo o mundo” (Revista Mensal, abril de 1930, p. 2).

Meu sincero desejo é que este livro possa ser uma justa homenagem aos homens e mulheres que dedicaram a vida para estabelecer a obra adventista no Brasil. Ao mesmo tempo, espero alcançar uma classe muito especial da igreja: os jovens. Que esta leitura possa inspirá-los com o exemplo dos bravos pioneiros que não mediram esforços ao lutar por aquilo em que acreditavam.

Michelson Borges
Tatuí, março de 2000


Sumário

Preservando a memória
Capítulo 1 – O Grande Desapontamento
Capítulo 2 - O avanço da mensagem
Capítulo 3 - Em terras tupiniquins
Capítulo 4 - Recebendo a mensagem
Capítulo 5 - Como folhas de outono
Capítulo 6 - Os primeiros conversos
Capítulo 7 - O dia do Senhor
Capítulo 8 - Um exemplo de fé
Capítulo 9 - Das colônias alemãs para o Brasil
Capítulo 10 - A passos largos
Epílogo - A tocha vai passando
Desenvolvimento cronológico resumido

Desenvolvimento cronológico resumido

1824 – Início da imigração alemã para o Brasil.
1884 – O pacote contendo dez revistas A Voz da Verdade, em alemão, chega a Brusque, SC.
1890 – Surgem os primeiros observadores do sábado em Gaspar Alto, SC. Guilherme Belz é o pioneiro.
1893 – Albert B. Stauffer, primeiro missionário enviado ao Brasil pela Associação Geral, chega em São Paulo.
1894 – (1) Albert Bachmeier encontra observadores do sábado em Brusque e em Gaspar Alto; (2) William H. Thurston chega ao Rio de janeiro com dois caixotes de livros, estabelecendo naquela cidade um depósito de livros.
1895 – (1) Pastor Frank H. Westphal chega ao Rio de janeiro em fevereiro. Acompanhado por Stauffer, inicia uma viagem realizando batismos em São Paulo e terminando com a cerimônia batismal de Gaspar Alto, em junho; (2) em junho, a primeira igreja adventista do Brasil é organizada em Gaspar Alto; (3) no mês de julho, os irmãos Berger chegam ao Brasil para colportar; (4) pastor Huldreich F. Graf chega ao Brasil em agosto e, em dezembro, realiza o batismo em Santa Maria do Jetibá, no Espírito Santo; (5) é criada a Missão Brasileira da IASD.
1896 – (1) Pastor Frederick Spies chega ao Brasil e batiza 19 pessoas em Teófilo Otoni, MG; (2) em julho começa a funcionar o Colégio Internacional de Curitiba, PR, a primeira escola particular adventista.
1898 – Começa a funcionar a escola paroquial de Gaspar Alto, sob a direção de Guilherme Stein Jr.
1900 – (1) Além da escola paroquial já existente em Gaspar Alto, tem início o curso superior, sob a direção do pastor John Lipke; (2) começa a ser publicada a revista O Arauto da Verdade, em português, mas ainda em tipografia secular. Guilherme Stein Jr. foi seu primeiro editor.
1903 – Em agosto, o Colégio Superior de Gaspar Alto é transferido para Taquari, RS. A escola paroquial da igreja de Gaspar Alto, entretanto, continuou funcionando.
1904 – (1) O pastor Ernesto Schwantes visita o comerciante José Lourenço Mendes, em Santo Antônio da Patrulha, RS. Surgem as igrejas de Campestre e Rolante e inicia-se a transição do adventismo das colônias alemãs para todo o Brasil; (2) pastor Lipke consegue, nos EUA, a doação de um prelo para o Brasil.
1905 – O prelo é montado no colégio de Taquari, RS. A Sociedade Internacional de Tratados no Brasil (embrião da Casa Publicadora Brasileira) inicia suas atividades gráficas.
1907 – A Casa Publicadora Brasileira (então conhecida como Tipografia Adventista de Taquari) é transferida de Taquari para São Bernardo do Campo, São Paulo.
1911 – (1) José Amador dos Reis, da Igreja de Rolante, ingressa na colportagem, passando depois à obra bíblica, na qual foi ordenado ao ministério, tornando-se o primeiro pastor adventista ordenado no Brasil (em 1920); (2) é organizada a União Brasileira, com sete campos, 68 igrejas e 1.550 membros.
1915 – É fundado o Colégio Adventista Brasileiro, em São Paulo (hoje Unasp, campus São Paulo).
1931 – No vasto Amazonas, a lancha médico-missionária Luzeiro I, pilotada pelo pastor Leo B. Halliwell, inicia grande trabalho filantrópico na região.
1943 – O programa A Voz da Profecia começa a ser irradiado através de 17 emissoras, sob a direção do pastor Roberto Rabello.

sábado, 8 de outubro de 2011

Morre o último dos pioneiros dos desbravadores



Desbravadores ao redor do mundo têm cantado este hino em várias línguas: "Nós somos os desbravadores, os servos do Rei dos reis, sempre avante assim marchamos fiéis às suas Leis. Devemos ao mundo anunciar as novas da salvação, que Cristo virá em breve dar o galardão"... Cantado em milhares de Clubes de Desbravadores, Igrejas e Camporis, as palavras e a harmonia deste hino, criado em 1948, continuarão sendo o nosso tema ao redor do mundo.
Em 15 de julho de 2011, em Oakhurst, Califórnia, o autor e amigo dos desbravadores, Henry T. Bergh, fechou seus olhos e descansou na esperança da segunda vinda de Cristo.

Henry Theodore Bergh nasceu em 24 de maio de 1918 em Spokane, Washington e quando ele tinha 2 anos de idade foi salvo da morte em um acidente de queimadura. Deus tinha planos para a sua vida! Apesar das cicatrizes permanecerem, seu amor por Cristo crescia. Quando Henry tinha por volta de 10 anos ele conheceu Miriam Jackson. Quando sua mãe estava levando a família de Miriam para a escola sabatina, ele disse à sua mãe que um dia se casaria com aquela garota. Eles ficaram amigos e se casaram em 24 de agosto de 1939. Miriam e Henry se conheceram por 83 anos!

Henry foi tesoureiro de várias Associações e da Pacific Press (a editora deles) antes de se tornar diretor do Ministério Jovem da Associação Californiana Central. Foi aqui que ele ajudou a fundar 23 Clubes de Desbravadores, escreveu o livro "Como iniciar um Clube de Desbravadores", iniciou o programa de Coordenação dos Desbravadores, realizou o primeiro treinamento de liderança, desenhou a bandeira e liderou a primeira feira. Mas para dezenas de milhares de jovens em todo o mundo, Henry Bergh será lembrado por ter escrito as palavras do hino oficial, assim como Deus as deu para ele.

Deus realmente abençoou o Clube de Desbravadores com a vida e ministério de Henry Bergh.

domingo, 18 de setembro de 2011

Cozinhando no acampamento - Receitas


Cozinhando no acampamento


Existem vários tipos de acampamento: de instrução, recreativo, fixo, móvel, rústico e etc. Algo em comum entre todos é a “cozinha”, desde a mais rústica até a mais “equipada”. Quando alguns clubes acampam, geralmente levam uma cozinheira que prepara as refeições para todos; em outros casos, cada unidade é responsável pelo seu alimento podendo ou não levar fogareiros ou fogões de acampamento.

Não há nenhum empecilho para que o clube tenha uma só cozinha, mas ao menos uma vez no ano deve haver um acampamento em que as unidades cozinhem. Disso depende o cumprimento de vários requisitos de classes e especialidades que vão desde fazer o cardápio até dispor corretamente do lixo.

Para ter uma alimentação saudável, higiênica e gostosa no acampamento em que a unidade vai cozinhar é necessário ensinar aos desbravadores algumas técnicas que até mesmo alguns líderes desconhecem, são elas:

Cardápio

Muitos clubes ainda permitem o uso de alimentos cárneos no acampamento, como igreja temos recomendação de que esse tipo de alimento não seja utilizado. O clube de desbravadores é um departamento da igreja, portanto deve observar essa regra.

O cardápio deve ser preparado com antecedência, as unidades devem ter a oportunidade de, segundo as preferências de seus membros, elaborar o seu. Entretanto, a diretoria deve supervisionar o trabalho das unidades.

No cardápio deve haver alimentos de todos os grupos (aqueles aprendidos na classe de amigo!): carboidratos, proteínas, leite e ovos, verduras e frutas e oleaginosas, além dos alimentos energéticos, que devem ser utilizados com moderação.

Alimentos desidratados são aqueles que passaram por um processo de secagem, onde a água do alimento é retirada, aumentando assim a sua conservação. Também utilizamos esse tipo de alimento, pois ele é mais leve e, portanto, mais fácil de carregar. São exemplos de alimentos desidratados: leite em pó, frutas em passas, proteína vegetal, sopas instantâneas, etc. Granola e macarrão instantâneo (tipo Miojo) não são alimentos desidratados; a granola é composta por cereais e o macarrão instantâneo é como todos os tipos de macarrão, devem ser cozidos em água, mas não quer dizer que são desidratados.

Em relação ao macarrão instantâneo é necessário ter cuidado para que ele não seja a principal refeição do acampamento. Tanto o macarrão convencional quanto o instantâneo são carboidratos e devem fazer parte de uma dieta balanceada, por exemplo, não se deve colocar macarrão, arroz e batata em uma mesma refeição. Assim o macarrão deveria ficar restrito a duas ou três refeições.

Outro alimento que muitos gostam e alguns acham até mesmo indispensável é o feijão, mas muitos consideram impossível ter esse alimento no acampamento. Realmente levar uma panela de pressão é incomodo, mas não é necessário ter este utensílio para cozinhar o feijão. Deixando os grãos de molho durante a noite eles vão cozinhar mais rápido no outro dia. Para não perder tempo, deixe a fogueira com o fogo baixo ou só com brasas (nesse caso deve ter bastante) e coloque o feijão para cozinhar durante o período da manhã. Deste modo na hora do almoço basta temperar. Para que o feijão não estrague, ferva-o uns cinco minutos à noite e tente deixá-lo em lugar mais fresco durante o dia.

Os ovos são alimentos muito versáteis, entretanto levá-los para o local do acampamento é um pouco complicado. Para que você não chegue lá com um omelete pronto, deixe os ovos na embalagem que você comprou no mercado, se for aquela de uma dúzia, ou corte ao meio a bandeja (aquela de trinta ovos) e coloque uma parte por cima e amarre com barbante. Acondicione-os na parte de cima da mochila dentro de um saquinho plástico para evitar acidentes.

Batata, beterraba, chuchu, cenoura, repolho, brócolis, couve flor, abobrinha, vagem, milho, pimentão e tomate são exemplos de alimentos de fácil conservação e preparo, além de possuir elevado valor nutricional. 
Alface, cheiro verde, espinafre, agrião, enfim todas as folhas tendem a ficar murchas fora da geladeira, além de ser difícil transportá-las sem danificá-las, portanto é melhor substituí-las. 

Não perca na semana que vem dicas de receitas para fazer no seu acampamento!

Utensílios de cozinha

Quando se pensa nos utensílios, geralmente lembra-se das panelas, talheres, pratos e copos. Alguns clubes esquecem de levar bacias para picar os alimentos e até mesmo faca. Para evitar esse incomodo atente-se à lista dos utensílios indispensáveis para o acampamento.

Faca – Deve ser boa de corte. Os desbravadores menores só devem usá-las sob a supervisão do conselheiro. Facas de serra são inapropriadas para descascar e cortar verduras, portanto evite-as. Não utilizar a faca da cozinha para cortar madeira, sisal ou abrir latas.

Conchas e colheres – É perigoso utilizar colheres e conchas de cabo muito curto para preparar as refeições. Para saber se está levando a quantidade certa conte quantos pratos haverá em cada refeição, deve haver uma para cada e mais uma de reserva.

Panelas – três costuma ser suficiente. O tamanho de cada uma depende do tamanho da unidade, de preferência que se encaixem entre si, assim há uma melhor utilização do espaço. Talvez possa incluir um fervedor para facilitar na hora de aquecer o leite ou prepara um chá ou cevada.

Ralador – é um pouco incomodo para transportar, mas facilita muito na hora de fazer a salada ou uma farofinha de cenoura.

Bacias – são indispensáveis para lavar e cortar os vegetais ou preparar uma salada.

Pano de prato – além de enxugar a louça, serve para tirar as panelas quentes da fogueira, cobrir os alimentos e etc.

Além desses é importante levar jarra, abridor de latas, potes ou vasilhas com tampa, fósforo e sacos para lixo. Não podemos esquecer também de levar bucha, sabão e esponja de aço.

Higiene

Mesmo estando no acampamento devemos manter os hábitos higiênicos como lavar as mãos, lavar frutas e verduras e não deixar lixo acumulado. Além destes, é necessário também outros cuidados:

Água – para cozinhar deve ser utilizada água filtrada ou fervida. Mesmo que a água venha de um riacho limpo é necessário purificá-la.

Armazenamento – os alimentos não devem ficar expostos diretamente ao sol e muito menos no chão. O mesmo em relação aos utensílios da cozinha.

Mesa – deve haver uma pequena “mesa”, um lugar para colocar os alimentos depois de prontos e servir de apoio no momento de prepará-los. Pode ser um caixote virado para baixo ou uma pioneiria. Seja criativo.

Lixo – para dispor do lixo orgânico (restos de comida, cascas de frutas e verduras) cavar um buraco no chão de uns 20 cm de largura por 40 cm de profundidade. Somente o lixo orgânico deve ser depositado nele. Jogar uma camada de terra para cobrir o lixo. O lixo seco deve ser levado de volta para casa. Para não gerar mau cheiro, enxágüe as embalagens e deixe tudo em um saco bem fechado.

Louça – deve ser lavada logo após a refeição. Se deixada para depois fica mais difícil de lavar além de atrair insetos. Se for lavar a louça em uma fonte de água corrente, usar sabão biodegradável e não deixar restos de alimentos por perto.

Alimentos perecíveis – muito cuidado com maionese, iogurte, queijo, leite, molho de tomate, etc., são alimentos que estragam facilmente fora da geladeira, principalmente depois de abertos.

Listamos aqui algumas receitas fáceis de preparar, que não necessitam de muitos utensílios e são gostosas.

Arroz Caipira

Com essa receita é possível fazer o arroz e as verduras em uma mesma panela. É bem prático. Serve de cinco a seis pessoas.

Ingredientes

2 xíc. de arroz
1 cenoura grande ou duas pequenas
1 espiga de milho
Alho ou tempero pronto
3 c.s. de óleo
2 c. chá de sal
Mais ou menos 1 litro de água

Modo de fazer

Doure o alho ou tempero, em seguida adicione o arroz e refogue até ficar brilhante. Acrescente a cenoura ralada e em seguida o milho cortado. Refogue por mais um minuto e acrescente a água. Quando a água do arroz estiver secando tampe a panela e reduza o fogo.


Roasted potato (batata assada)

É uma receita muito fácil que dispensa o uso de panelas, mas é um pouco demorada.

Ingredientes

Uma batata grande para cada membro da unidade
Requeijão ou molho de tomate
Sal
Papel alumínio

Modo de fazer

Lave bem as batatas e fure-as com um garfo, enrole-as em um papel alumínio e coloque nas brasas da fogueira. O tempo de cozimento depende da quantidade de brasas, mas costuma demorar de 1h00min à 1h30min. Espete a batata com um grafo ou palito para conferir se estão macias e retire da fogueira com cuidado. Retire a batata do papel alumínio, corte a batata ao meio e coloque uma pitada de sal. Coloque o molho de tomate ou requeijão por cima e sirva.

Tabule de acampamento

Ingredientes

1 pepino grande
2 tomates
1 cebola pequena
½ xíc. de triguilho
Sal

Modo de fazer

Coloque o triguilho de molho por 45 min. Corte o tomate, o pepino e a cebola em cubinhos. Escorra a água do triguilho e esprema-o bem. Misture tudo e acrescente o sal.

Maçã com goiabada

É uma sobremesa muito fácil e gostosa, também dispensa panela.

Ingredientes

Uma maçã para cada membro da unidade

Canela em pó Goiabada
Papel alumínio



Modo de fazer


Lave as maçãs e corte-as ao meio. Retire o miolo, polvilhe canela em pó em cada uma das metades. Coloque um pedacinho de goiabada na maçã, junte as duas metades e enrole no papel alumínio. Coloque as maçãs nas brasas da fogueira. Fica pronto em uns 30 minutos.


Mingau de aveia


Ingredientes


4 xíc. de leite
1 canela em pau
 8 c.s. de aveia em flocos

4 c.s. de açúcar


Modo de fazer


Coloque todos os ingredientes em uma panelinha e leve ao fogo baixo. Mexa sem parar até atingir a consistência desejada. Retire a canela e sirva. Serve 4 pessoas.


Fonte: Blog Catinho da Unidade

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Modelos de ofícios para desbravadores





Tenho certeza de que se perguntassem para cada um de nós o que é o Clube de Desbravadores, faríamos aquela propaganda. Descreveríamos como são as nossas atividades, as classes, as especialidades, as caminhadas, os acampamentos, os ralas... Os nossos olhos brilhariam ao falar e tentaríamos transmitir para a pessoa o máximo do que é ser um desbravador!

Mas se o Clube é tão bom assim, por que as pessoas nem sequer ouviram falar? Acho que o problema é que nós não nos mostramos a elas, não nos mostramos à sociedade, não é verdade?

Nos últimos meses trabalhamos no projeto de fundação de um novo Clube em São João d'Aliança, interior de Goiás, mas que ainda é da APlaC. No último treinamento descobrimos algo que nos deixou de queixos caídos: a secretária municipal de educação tinha enviado uma carta para a Igreja pedindo algum tipo de projeto para as crianças da cidade!

Amigos, não existe nenhum programa melhor para crianças e adolescentes de 10 a 15 anos em qualquer cidade do que o Clube de Desbravadores! Então vamos parar de nos esconder! Isso não só prejudica por não termos mais membros por falta de conhecimento como por não termos patrocínio para as nossas atividades.

Para vocês terem uma idéia, em agosto estávamos visitando a Granja do Torto, em Brasília, para visualizarmos a área do nosso VI Campori de Desbravadores. Estava acontecendo um evento de motoqueiros (nada contra os motoqueiros). Descobrimos que eles haviam recebido um patrocínio do Governo de mais de 800 mil reais! Onde é que nós estamos até agora que não corremos atrás das necessidades dos nossos desbravadores? Os seus desbravadores já deixaram de ir a algum evento por causa de dinheiro??? Está na hora disso acabar!

Bem, para conseguirmos algum patrocínio ou ajuda de qualquer entidade, seja privada ou do Governo, precisamos nos comunicar através de ofícios, documentos oficiais específicos para isso. O assunto pode variar de solicitar o espaço físico de uma escola para as reuniões do Clube, passe livre no zoológico e até mesmo o aluguel de algum ônibus.

Para ajudá-los, vamos disponibilizar AQUIAQUIAQUI e AQUI quatro modelos diferentes de ofícios, elaborados conforme o Manual de Redação da Presidência da República. Com base neles, é só você substituir o assunto, os dados e o pedido. Os parágrafos 1, 3 , 4 e 7 (do primeiro modelo) podem ser usados em todos os ofícios, pois dão as informações básicas sobre o Clube e põe o Clube à disposição da empresa ou do Governo. Prestem bastante atenção no uso correto dos pronomes de tratamento, disponíveis no manual de redação acima.

FONTE: BLOG CANTINHO DA UNIDADE

sábado, 20 de agosto de 2011

Juízo final



"Felizes e santos os que participam da primeira ressurreição! A segunda morte não tem poder sobre eles; serão sacerdotes de Deus e de Cristo, e reinarão com ele durante mil anos." Apocalipse 20:6.


Há duas semanas recebemos um email muito interessante e gostaríamos de compartilhar com vocês. É uma pequena história em quadrinhos com uma poderosa mensagem para refletirmos. Como estamos levando a nossa vida? As nossas atitudes condizem com os princípios bíblicos? Estou me preparando para a primeira ou para a segunda ressurreição? Confiram (cliquem nas imagens para ampliar):

Vida sem Deus



















Vida com Deus




FONTE: BLOG CANTINHO DA UNIDADE

domingo, 14 de agosto de 2011

Estrutura administrativa da Igreja local, para a classe de Excursionista


Blog: Cantinho da Unidade

Deus é organizado. Percebemos isso claramente em cada uma das suas especificações ao Seu povo. Todo o trabalho da arca de Noé, com cada medida e detalhe revelados; a construção do santuário com a descrição específica de cada instrumento, material, modo de construção; a ordem do acampamento e da marcha...

Ainda hoje, na condução do Seu povo na Terra, Deus especifica como a sua Obra deve avançar. Em Sua sabedoria, ao instituir a Igreja Adventista do Sétimo Dia, o Seu povo remanescente, Ele revelou aos seus servos como deve funcionar a sua estrutura administrativa.

O Espírito Santo concede inúmeros dons à Sua Igreja, por isso, existem diversos departamentos, onde os membros usarão os dons recebidos para levar a mensagem do advento a todo mundo em sua geração. Na classe de Excursionista, seção Desenvolvendo Organização e Liderança, requisito 1, temos o seguinte: "preparar um organograma sobre a igreja local e relacionar as funções dos departamentos".

O objetivo deste requisito é abrir a mente do desbravador para os diversos ministérios da Igreja, para despertar nele o interesse de trabalhar na Obra de Deus e aprender a fazer sempre o seu melhor, pois Deus exige que o Seu trabalho seja bem feito!

Como o requisito é específico para a igreja local, não é necessário fazer uma abrangência maior no organograma, como no caso da classe de Guia. Ele precisa saber quem dirige a Igreja e qual é a função de cada um dos departamentos. Para ajudá-los nesse requisito, clique AQUI para baixar um material de apoio que usamos aqui nas nossas regiões, ou clique nas figuras abaixo e salve-as no seu computador.